Catamarã Turismo

Mogi das Cruzes – Mogilar – Itaipu

(11) 4699-1034 | (11) 99246-7030

mogilar@catamaratur.com.br

Blog

Viajando com o seu companheiro de quatro patas

postado em 16 de dezembro de 2013

como-viajar-com-animais

Que viajar é maravilhoso, todos concordamos. Porém alguns viajantes têm uma preocupação: são apaixonados pelos seus bichinhos de estimação e querem levá-los, mas não sabem como funciona o procedimento.

Por isso reunimos estas informações especialmente para os “papais” e “mamães” de cãezinhos e gatinhos, que querem compartilhar esse momento divertido com seus pets.

• Saúde:

A primeira preocupação deve ser com a saúde do animal. Devemos lembrar que eles sofrem mais os efeitos das mudanças de horários, clima e a viagem pode ser bastante estressante para eles. Portanto visitar um veterinário é essencial para que o bichinho não sofra com o voo.

O pet deve ter mais de 15 semanas de idade e já ter tomado todas as vacinas, para poder viajar sem correr o risco de adoecer. Também é bom evitar viajar com animais idosos, mas se for mesmo necessário, em ambos os casos, evite que ele tenha contato com a rua ou com outros bichinhos.

• Meio de transporte:

Viagem de avião tende a ser menos estressante para eles do que viagens de carro. No percurso de carro preocupe-se em escolher horários mais frescos e sair com folga de tempo, para parar e hidratá-los um pouco, assim evita o aumento da temperatura corporal e desidratação.

Já de avião, converse com o seu agente da Catamarã ou com a central de atendimento da companhia aérea para saber quais são as condições necessárias para incluir o pet no voo. Cada companhia tem condições específicas, bem como taxas que variam. Algumas, por exemplo, não admitem mais de um animal na cabine de passageiros por voo e outras têm limite de peso para os bichinhos que vão no porão. IMPORTANTE: cão-guia deve ser transportado gratuitamente e ao lado do dono. Mas o transporte deve ser comunicado com antecedência à companhia, para evitar complicações no embarque.

• Documentação:

Sim, os bebês peludinhos também precisam de documentação para viajarem em segurança.

Para viagens nacionais, eles precisam de atestado de saúde e vacinação.

Já para o exterior é um pouco mais complexo. Eles precisam basicamente do atestado de saúde (que precisa tirar com no máximo 3 dias de antecedência), certificado de vacinação antirrábica (a vacina deve ter sido aplicada mais de 30 dias antes do embarque), certificado de aclimatação que garante que aquela raça ou espécie não vá sofrer demais a temperatura do destino e assim que tiver esses documentos, o dono deve ir ao Ministério da Fazenda para retirar o atestado Zoo Sanitário Internacional.

As viagens no exterior também pedem uma verificação no consulado do país a se visitar, quais são as exigências para a entrada de animais. Pois alguns pedem apenas o atestado do Ministério da Fazenda, mas outros podem pedir que o animal fique um período de quarentena no aeroporto, ou podem ter limite quanto ao número de “turistas de quatro patas” no território. A União Europeia, por exemplo, exige identificação por microchip eletrônico.

Além disso, alguns países exigem uma espécie de visto de permanência, válido por 8 dias. Esse “visto” deve ser tirado com o profissional veterinário no aeroporto de embarque. Se a viagem durar mais do que isso, é preciso tirar outro no aeroporto que você embarcará de volta para casa.

• Como será o transporte:

Isso varia de companhia para companhia. Mas dependendo do tamanho do seu bichinho ele pode ir dentro da cabine de passageiros com você, porém dentro de uma caixa própria para animais e sob a poltrona. Já se ele for muito grande, ou a cabine já tenha batido a lotação de pets, ele será transportado no compartimento de carga, o porão do avião, sempre dentro de uma caixa de transporte animal.

Caso ele não cumpra as exigências para ir no mesmo voo que você, talvez seja necessário  transportá-lo em carga aérea. Sempre é válido informar a companhia do seu interesse em levar o seu pet junto.

O bichinho precisa estar tranquilo para não se estressar durante o transporte, portanto é comum a aplicação de tranquilizantes. Converse com o seu veterinário para saber a dosagem indicada para a raça dele e o tempo de viagem.

WhatsApp