Catamarã Turismo

Mogi das Cruzes – Mogilar – Itaipu

(11) 4699-1034 | (11) 99246-7030

mogilar@catamaratur.com.br

Blog

SP
13 jun

Turistando pela capital paulista: principais pontos históricos de São Paulo

Com seus prédios dos mais diversos estilos, formas e tamanhos, São Paulo possui um verdadeiro acervo cultural ao ar livre. A gigantesca cidade guarda monumentos históricos extremamente importantes não só para a capital paulista, mas para todo o Brasil.

Caminhar pelas ruas e, principalmente, pelo centro de São Paulo é o mesmo que ver a história da cidade ser contada por suas construções, que são manifestações concretas das mudanças pelas quais passou no decorrer dos anos até se transformar na metrópole que é hoje.

O trajeto reúne representantes dos diversos estilos desenvolvidos no município durante sua história, com destaque para obras de arquitetos renomados, e apresenta ainda ligações com fatos e personagens históricos.

O turista que chega a São Paulo é facilmente atraído pela arquitetura e um simples passeio pelas ruas paulistanas já lhe garante uma experiência única e fascinante.

Pensando nisso, a Catamarã Turismo separou os principais pontos históricos de São Paulo para você conhecer quando visitar a capital paulista:

patteo-do-colegio

Pateo do Collegio

O Pateo do Collegio foi o marco inicial da construção da cidade de São Paulo, a partir da construção de uma pequena cabana de pau a pique onde se reuniram 13 jesuítas, entre eles José de Anchieta e o Padre Manoel da Nóbrega que estavam empenhados em catequizar os nativos da região.

A cerimônia oficial da fundação da cidade e a conversão do apóstolo Paulo ocorreram no dia 25 de janeiro de 1554, o que originou o nome da capital: São Paulo.

Hoje, o complexo do Pateo do Collegio abriga a Igreja São José de Anchieta, a Biblioteca Padre Antônio Vieira, o Museu de Arte Sacra dos Jesuítas, o Café do Pateo e, a atração principal, o Museu Anchieta, destinado a preservar as origens da cidade.

O museu é composto por sete salas, que expõem relíquias, coleções de arte sacra, objetos indígenas, mapas, uma maquete de São Paulo no século XVI, a pia batismal e antigos pertences de Anchieta, entre outras coisas.

A visita neste lugar é uma volta no tempo, além de uma oportunidade única de pisar onde tudo começou. A região do Pateo do Collegio pode ser frequentada gratuitamente. Para os museus os valores são R$ 8 (inteira) e R$ 4 (meia).

Horário de funcionamento: de terça a sexta-feira, das 09h às 16h45. Sábados e domingos, das 09h às 16h30. Para visita monitorada é preciso agendar de segunda a sexta-feira, das 13h às 16h.

Endereço: Praça Pateo do Collegio, 2 – Centro Histórico de São Paulo, São Paulo.

Praca_da_Se

Praça e Catedral da Sé

A Praça da Sé é o Marco Zero de São Paulo, ou seja, é a partir dela que se conta a distância de qualquer ponto da cidade, onde pessoas de todos os estilos se encontram. É um dos espaços mais conhecidos da capital e foi palco de muitos eventos importantes para a história do país.

O pequeno monumento de mármore em forma hexagonal, construído em 1934, traz um mapa das estradas que partem de São Paulo com destino a outros estados.

Cada um de seus lados representa, simbolicamente, outra cidade ou estado brasileiro: o Paraná (araucária), Mato Grosso (vestimenta dos Bandeirantes), Santos (navio), Rio de Janeiro (Pão de Açúcar e suas bananeiras), Minas Gerais (materiais de mineração profunda) e Goiás (bateia, material de mineração de superfície).

Na praça está situada a Catedral Metropolitana da Sé, a maior igreja de São Paulo, com 110 metros de comprimento, 46 metros de largura, torres com 92 metros de altura cada, cúpula com altura de 30 metros e capacidade para oito mil pessoas.

Inaugurada em 1954, sua construção em estilo neogótico levou quase 40 anos para ser concluída por conta das duas guerras mundiais que aconteceram nesse período e que prejudicaram a importação de certos materiais.

Na cripta da catedral, que pode ser considerada uma verdadeira igreja subterrânea, encontram-se alguns trabalhos artísticos do escultor Francisco Leopoldo.

É uma atração que vai além da religião, pois representa grande parte da história de São Paulo, além de ter uma arquitetura de beleza única.

Horário de funcionamento: de segunda a sexta-feira, das 8h às 19h; sábado, das 8h às 17h; domingo, das 8h às 13h.
Horários das missas: de segunda e sexta-feira, às 9h, às 12h e às 18h; terça, quarta e quinta-feira, às 12h e às 18h; sábado às 12h; domingo às 9h, 11h e 17h.
Endereço: Praça da Sé – Sé, São Paulo.

Edifício Martinelli

O Edifício Martinelli foi construído em 1929 e idealizado pelo italiano Giuseppe Martinelli. Com 30 pavimentos, ele foi o primeiro grande arranha céu da América Latina e hoje é uma referência histórica e arquitetônica no país.

Em seu terraço, o mirante proporciona uma bela vista do centro de São Paulo. No 26º andar exibe um belíssimo terraço do qual se tem uma visão panorâmica da cidade, avistando-se o Pico do Jaraguá, as antenas da Paulista e centenas de prédios que compõe a paisagem urbana do município.

Está localizado no triângulo formado pela Rua São Bento nº 405, Av. São João nº 35 e Rua Líbero Badaró nº 504, no centro de São Paulo, próximo ao Edifício Altino Arantes.

O edifício pode ser visitado gratuitamente.

Horário de funcionamento: de segunda a sexta-feira, das 9h30 às 11h e das 14h30 às 16h. Agendamento de visitas monitoradas somente para os sábados, das 9h às 13h.

Solar da Marquesa de Santos

Alguns dias antes da independência, Dom Pedro conheceu, em São Paulo, sua amante Domitila de Castro Canto e Melo, que ficou conhecida como a Marquesa de Santos, título que recebeu do Imperador.

Construído na segunda metade do século XVIII, o Solar foi o lar da Marquesa de Santos. Hoje em dia, o local é visto como de extrema importância para a história e cultura da capital, pois é considerado o mais antigo e principal exemplo remanescente da arquitetura residencial urbana paulista.

Mesmo depois de algumas reformas para abrigar o museu, ainda hoje é possível observar diversas partes originais da arquitetura da residência e até mesmo alguns móveis e utensílios que eram utilizados pela Marquesa e característicos da época.

O espaço pode ser visitado gratuitamente.

Horário de Funcionamento: de terça-feira a domingo, das 9h às 17h.
Endereço: Rua Roberto Simonsen, 136 – Sé, São Paulo.

Memorial da Resistência

Localizado próximo a Estação Luz em São Paulo, o Memorial da Resistência foi construído no prédio do antigo Departamento de Ordem Política e Social (DEOPS-SP).

O local virou referência durante a ditadura militar, pois era onde os presos políticos ficavam detidos e eram torturados. Hoje em dia, o prédio abriga o memorial e foi parcialmente preservado.

As celas foram reconstituídas para aproximar o público com a história do local. Em uma das celas é possível ouvir o depoimento de sobreviventes e em outra ler o que os presos escreveram nas paredes enquanto estavam detidos.

O espaço procura aproximar e informar os visitantes, por isso algumas vezes por mês é realizado os sábados recreativos, em que levam ex-presos políticos para palestrar. A entrada é gratuita.

Horário de funcionamento: de quarta a segunda-feira, das 10h às 17h30.
Endereço: Largo General Osório, 66 – Santa Ifigênia, São Paulo.

Parque da Independência

O Parque da Independência, inaugurado em 1989, tem esse nome por guardar elementos históricos importantes para a história da Independência do Brasil, tombados pelos órgãos de preservação histórica em esfera municipal, estadual e federal. Lá você pode encontrar:
– Museu do Ipiranga: o prédio foi inaugurado em 7 de setembro de 1895 com o intuito de ser um memorial da independência do país. O museu conta com um acervo de mais de 125 mil peças, incluindo a famosa tela “Independência ou Morte”. Infelizmente, ele está fechado para restauração por tempo indeterminado, mas a visita vale a pena só para apreciar a arquitetura.
– Monumento à Independência: conta-se que foi neste exato ponto, às margens do Rio do Ipiranga, que Dom Pedro recebeu a carta do Rio de Janeiro que o fez decidir declarar a Independência. O monumento foi inaugurado no centenário da independência com uma cripta em seu interior para guardar os restos mortais de Dom Pedro e suas duas esposas.
– Casa do Grito: teria sido próximo a essa casa que Dom Pedro deu o famoso grito que ficou no imaginário popular: “Independência ou Morte”.

Horário de funcionamento: diariamente, das 5h às 20h.
Endereço: Av. Nazaré, s/n – Ipiranga, São Paulo.

800px-Mosteiro_de_São_Bento_do_Rio_de_Janeiro_Capela_do_Santíssimo_Sacramento_(1)

Mosteiro de São Bento

Com arquitetura neorromântica e relíquias em seu interior, o Mosteiro de São Bento faz parte do conjunto da Basílica Abacial Nossa Senhora da Assunção, do Colégio de São Bento e da Faculdade de São Bento, e é parada garantida para quem visita a capital paulista.

Os beneditinos chegaram a São Paulo em 1598, mas somente em 1634 foi criada a abadia e a capela foi dedicada a São Bento.

Atualmente, esse espaço abriga, além da igreja (Basílica de Nossa Senhora da Assunção), o mosteiro com cerca de 40 monges enclausurados que seguem a tradição do ora “et labora” (ora e trabalha), somado, no caso dos monges paulistanos, ao “et legere” (e leia), em especial as Sagradas Escrituras.

O estabelecimento ainda possui um teatro, no qual são realizados concertos musicais e eventos em geral durante o ano, e uma biblioteca com mais de 100 mil títulos.

O acervo dessa biblioteca contém 581 títulos publicados antes do século XIX, entre eles seis raros incunábulos, sendo o mais antigo o Novo Testamento de 1496. Possui também uma coleção de manuscritos e edições raras de livros que foram proibidos pela Igreja Católica. O acesso ao acervo é restrito aos monges e alunos, mas é possível pesquisadores e estudiosos solicitarem permissão.

Outra grande atração é a lojinha, com pães, bolos, doces, biscoitos e geleias feitas pelos próprios monges e cujas receitas são seculares, guardadas no arquivo da abadia. A forma de preparar os quitutes só é transmitida para outro monge para não se perder a qualidade com a massificação.

A lojinha ainda vende livros, figuras sacras e a tradicional medalha de São Bento.

Vale destacar que o Colégio de São Bento oferece cursos e oficinas em alguns dias da semana.

Além de tudo isso, há também o Brunch no Mosteiro de São Bento, que acontece sempre no último domingo de cada mês e já faz parte do Calendário Cultural e Turístico da cidade de São Paulo.

É um evento sofisticado, muito especial, cheio de cultura, boa gastronomia, curiosidades, socialização e, o melhor, para todas as faixas etárias.

A programação reúne a Santa Missa com Canto Gregoriano, o brunch com pratos deliciosos criados por monges e grandes chefs de São Paulo e uma incrível visita guiada pelo Mosteiro, ao som de música clássica e contemporânea, em que é possível ver exposições de arte.

Horário de funcionamento: segunda, terça, quarta e sexta-feira, das 6h às 19h. Sábado e domingo, das 6h às 12h e das 16h às 18h. Quinta, a partir das 14h. Sacristia: terça a sexta-feira, das 14h às 17h.
As missas com Canto Gregoriano e órgão acontecem de segunda a sexta-feira, às 7h; aos sábados, às 6h; e aos domingos, às 10h.
Endereço: Largo de São Bento, 48 – Centro Histórico de São Paulo, São Paulo.

Com certeza vale a pena conhecer cada um desses maravilhosos lugares históricos. Então, o que acha de já conhecer um deles? A Catamarã Turismo irá fazer uma excursão para o Brunch no Mosteiro de São Bento. O valor é R$365 por pessoa.

Saiba mais sobre a Excursão Mosteiro de São Bento

Caso tenha ficado interessado, entre em contato conosco para obter mais informações!
Telefone: (11) 4699-1034
WhatsApp: (11) 99246-7030
mogilar@catamaratur.com.br
Rua José Meloni, 351, loja 12, dentro do estacionamento da Itaipu, o Shopping da Construção, Mogilar – Mogi das Cruzes

WhatsApp